Posts

Gameterapia em ambiente hospitalar

Já pensou em estar internado e ter indicado como parte do tratamento jogos de videogame?

O uso dos videogames na recuperação de pacientes – a chamada gameterapia – já é uma realidade nos hospitais. Dessa forma, o processo se torna mais divertido e ajuda os pacientes a aceitarem melhor o tratamento.

A Prófisio foi pioneira no Brasil no uso dessa técnica. O Nintendo Wii, por exemplo, é um dos videogames que possuem sensores que respondem aos movimentos dos jogadores.

De acordo com o fisioterapeuta Dr. Bruno Coymbra do Amaral, estudos recentes sobre a gameterapia falam da melhora da motricidade em pacientes restritos ao leito e até mesmo para pacientes em recuperação de doenças cardiorrespiratórias, além de ajudar na prevenção do risco de delirium e promover diversão, saindo da monotonia das terapias convencionais.

Como funciona a gameterapia?

O procedimento está sendo cada vez mais utilizado em clínicas de fisioterapia e hospitais do Paraná e do Brasil. A Prófisio já realizou estudos em cima do uso da gameterapia na UTI e constatou que ele pode ser utilizado sem alterar a hemodinâmica do paciente, ou seja, ele é seguro.

A escolha do jogo vai depender do objetivo específico da reabilitação, os mais utilizados em nossos serviços são tênis e boxe, pois melhoram a coordenação motora pacientes de pós operatório, utilizamos também o Wii Sport, para trabalhar membros superiores e o Wii Fit para os inferiores.

Porém, deve-se lembrar que a gameterapia não funciona sozinha; outras atividades físicas, como por exemplo caminhadas ao ar livre e exercícios respiratórios, também são praticadas no hospital.

Prófisio na Revista International Business

A Profísio é reconhecida pela qualidade dos serviços prestados em Fisioterapia e principalmente em Fisioterapia Hospitalar.

Recentemente fomos agraciados por mais um reconhecimento o Prêmio The Winner 2019 e uma reportagem na Revista Internacional Business.

A Revista International Business tem como missão mostrar em suas páginas as histórias de empresas e empresários que ao longo de sua caminhada vêm fazendo a diferença, inspirando futuros empreendedores que gostariam de começar seus próprios negócios, servindo de inspiração neste mundo tão competitivo com vários obstáculos, mostrando como muitos empresários vêm superando e se redescobrindo frente a crise que nosso país enfrenta.

 

Ficamos felizes por mais este reconhecimento e trabalhamos para que os serviços prestados pela Prófisio sejam sempre destaque pela qualidade e profissionalismo.

Você pode ler a matéria completa aqui (página 11):

Fisioterapia pélvica no ambiente hospitalar

O fisioterapeuta é o grande responsável pela manutenção da funcionalidade que é dependente da mecânica/fisiologia muscular.

Proporcionar o máximo de independência nas atividades de vida diária é a preocupação da fisioterapia e isso se inicia ainda no internamento da UTI ou na enfermaria de um hospital, visando facilitar a vida dos pacientes, de seus cuidadores e familiares.

A Fisioterapia Pélvica envolve o estudo, prevenção e tratamento dos distúrbios cinético funcionais na pelve, com destaque para as disfunções pélvicas, anorretais, urinárias em mulheres, homens e crianças.

A musculatura do assoalho pélvico é responsável por sustentar órgãos dentro da cavidade abdominal. Atua durante as atividades sexuais e parto, faz a continência urinaria e fecal.

No entanto a alteração dessa musculatura, por hipo ou hiperatividade, incoordenação, fraqueza, encurtamento, distúrbios de fáscias, complacência ou contratura, pode acarretar em redução nas funcionalidades.

Frequentemente as alterações do assoalho pélvico em nossos pacientes são observadas com quadros de incontinência urinária, incontinência fecal e constipação intestinal.

Mas não é contraditório pensarmos em ganhar equilíbrio, marcha (capacidade de caminhar), controle de tronco, coordenação, força muscular e esquecermos de uma musculatura capaz de proteger o rim?

A dissinergia dos músculos do assoalho pélvico, ou seja, a sua incoordenação, faz com que a musculatura que deveria relaxar para a urina sair seja contraída. Essa incoordenação possibilita a ocorrência do refluxo vesico ureteral que é justamente a urina que está na bexiga retornar para o rim.

Isso é preocupante, pois pode acarretar no aumento de casos de infecções urinárias e de lesões renais que faz com que o tempo de internação seja prolongado ou até mesmo eleve o número de reinternações.

Ao deixar de iniciar precocemente o tratamento do assoalho pélvico, podemos atrasar o processo que irá promover ao paciente qualidade de vida da mesma forma que quando pensamos em trabalhar o ganho de marcha e equilíbrio.

Sabemos da dificuldade de promover a fisioterapia precoce e as barreiras que teremos que enfrentar para que os cuidados com o assoalho pélvico sejam integrados no processo de reabilitação, entretanto, somente avaliando de maneira ampla começaremos a pensar na reabilitação por completo dos pacientes assistidos dentro do ambiente hospitalar.

 

Por Leriane Leuzinski
Fisioterapeuta
Especialista em Fisioterapeuta Pélvica
Especialista em Terapia Intensiva
Coordenadora do Serviço de Fisioterapia Intensiva do Instituto de Neurologia de Curitiba

Bronquiolite e o tratamento da fisioterapia

Você já ouviu falar da Bronquiolite ou Síndrome do Bebê Chiador?

Ela é uma síndrome infecciosa viral, geralmente causada pelo VSR (Vírus Sincicial Respiratório), em 75% dos casos.

Trata-se de um comprometimento inicial do trato respiratório superior que evolui para manifestações do trato inferior, comprometendo, principalmente, os bronquíolos.

É um distúrbio obstrutivo de gravidade variável representado pela inflamação destas pequenas vias aéreas.

 

 

A bronquiolite afeta, exclusivamente, crianças até os 2 anos de idade, mais frequentemente entre 2 e 10 meses e sua incidência é de 20 a 25 casos a cada 100 crianças por anos, aproximadamente.

O vírus possui um aspecto de sazonalidade bastante importante, ele é mais frequente nos períodos em que as temperaturas se apresentam mais baixas.

A Bronquiolite é uma patologia contagiosa com risco de 1 ou 2% de a criança ser hospitalizada; dentro desta população, 15% pode necessitar de Unidade de Terapia Intensiva, desenvolve-se desconforto respiratório agudo em 5% dos casos e 1 a 3% podem evoluir a óbito.

Sendo assim, entramos em um período sugestivo para discutir alguns aspectos deste distúrbio. Uma das maneiras de evitar o desenvolvimento da doença é evitar o contato da criança com outras pessoas com IVAS (Infecções de Vias Aéreas Superiores), o que é bastante comum nas crianças que frequentam creches escolares; higienizar as mãos com álcool 70% e evitar ambientes fechados.

A criança com bronquiolite apresenta-se, inicialmente com os sintomas de uma doença comum das vias aéreas superiores, sendo eles: febre, coriza, dificuldade nas mamadas e/ou alimentação e tosse.

Com a evolução, os sinais podem se agravar com a presença da dispneia, sibilos expiratórios (por isso o nome de Síndrome do Bebê Chiador) audíveis até à distância, tosse inicialmente seca e depois produtiva, hiperinsuflação e esforço respiratório podendo chegar a fadiga muscular e evoluir para a utilização de ventilação mecânica.

O acompanhamento fisioterápico na bronquiolite torna-se uma terapia adjuvante ao tratamento clínico.

Por ser um distúrbio obstrutivo, as técnicas de higiene brônquica são muito bem-vindas, no entanto, as terapias que utilizam ondas de choque devem ser evitadas para não aumentar a hiper-reatividade brônquica caso esta seja uma condição presente no quadro clínico da criança.

A reversão e/ou a profilaxia de processos atelectásicos também fazem parte do tratamento fisioterápico.

Vale ainda salientar que como a doença acomete crianças que apresentam-se em constante desenvolvimento neuro-psico-motor, a fisioterapia deve atuar o mais precoce possível para que o mesmo não seja prejudicado ou retardado.

Infelizmente, na literatura, ainda há muita controvérsia sobre a real eficácia da atuação da fisioterapia na bronquiolite, pois poucos são os estudos randomizados ou controlados.

No entanto, a fisioterapia respiratória tem sido utilizada para desobstrução, higiene brônquica, prevenção de atelectasias e recrutamento alveolar, pois contribui para diminuição da resistência das vias aéreas, promovendo melhor ventilação-perfusão (através dos canais colaterais) e consequentemente, diminuindo o trabalho ventilatório, pela remoção do excesso de muco que se acumula nas vias aéreas das crianças nestas condições.

 

Por Juliana Thiemy Librelato

Fisioterapeuta
Especialista em Fisioterapia em Unidade de Terapia Intensiva
Especialista em Fisioterapia em Neo-Pediatria
Fisioterapeuta da Profísio Assistência Fisioterápica
Professora da Faculdade Inspirar

 

Referências Bibliográficas

  • Princípios e práticas de ventilação mecânica em pediatria e neonatologia / George Jerre Vieira Sarmento. Barueri, SP: Manole 2011.
  • Fisioterapia respiratória em pediatria e neonatologia / George Jerre Vieira Sarmento, Fabiane Alves de Carvalho, Adriana de Arruda Falcão Peixe. Barueri, SP: Manole 2007.
  • Luisi, F. O papel da fisioterapia na bronquiolite viral aguda. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 39-44, jan./mar. 2008

15 de Março – Dia Mundial do Sono

Hoje, 15 de março, comemoramos o Dia Mundial do Sono, data criada pela Associação Mundial de Medicina do Sono (World Association of Sleep Medicine), para conscientizar a população sobre a importância do sono regular.

O sono é um complexo fenômeno biológico que ocupa, temporalmente, um terço da duração da vida humana, sendo essencial para o descanso, a reparação, qualidade de vida e a sobrevivência do indivíduo.

O ambiente da Unidade de Terapia Intensiva UTI é propício para um sono de má qualidade, uma vez que eventos estressores como luz, ruídos, manipulação pelos cuidados, dor, entre outros acabam por interromper a continuidade ou até mesmo inibir o sono.

Este sono de má qualidade e a fragmentação dele, ocorrência frequente na UTI, tem como consequências o comprometimento da função imunológica, aumento da probabilidade de delirium, fadiga, sensibilidade a dor, resultando em prejuízo físico e cognitivo.

Para minimizar o efeito deletério de um dos fatores estressores, a luminosidade, que independente dos níveis de intensidade pode reduzir e até inibir a secreção de melatonina, hormônio envolvido na regulação do ciclo sono-vigília, máscaras para os olhos podem ser ofertadas aos pacientes com o intuito de reduzir o número de despertares e melhorar a qualidade do sono.

 

Bibliografia
BELTRAMI FG, NGUYEN XL, PICHEREAU C, MAURY E, FLEURY B, FAGONDES S. Sono na Unidade de Terapia Intensiva, J Bras Pneumol. 2015;41(6):539-546

PITROWSKY M.T., SHINOTSUKA C.S., LIMA M.A.S.D., SALLUH J.I.F. Importância da monitorização do delirium na unidade de terapia intensiva. Rev. bras. ter. intensiva vol.22 no.3 São Paulo July/Sept. 2010

NASCIMENTO, J. V. do. Transtornos do sono em pacientes internados na UTI: uma revisão integrativa. 2016. 36f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem)- Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2016

 

Por Maíra Maturana
Mestre em fisiologia
Docente na Faculdade Inspirar
Fisioterapeuta/Sócia Diretora da Profisio – unidade INC
Sócia Diretora da Faculdade Inspirar Campinas

Prancha Ortostática como recurso fisioterapêutico da UTI ao ambulatório

O uso da prancha ortostática é indicado para readaptar os pacientes à posição vertical quando o mesmo é incapaz de manter essa postura sozinho ou até mesmo com considerável assistência.

O sistema musculoesquelético é projetado para se manter em movimento. Em apenas sete dias de repouso no leito a força muscular diminui em 30%, com uma perda adicional de 20% da força restante a cada semana. A permanência prolongada de pacientes em unidade de terapia intensiva (UTI) em uso de ventilação mecânica (VM) está associada ao declínio funcional, morbidades, mortalidade, cuidados de alto custo e longo tempo de internação. A sepse, distúrbios hidroeletrolíticos e a imobilidade são causas da polineuropatia do doente crítico.

O repouso prolongado no leito resulta em alteração nas fibras musculares. As isoformas de miosina mudam de fibras de contração lenta para rápida, a síntese de proteínas é reduzida e o desuso atrofia o músculo esquelético. Em estados de doença inflamatória a proteólise muscular é acelerada e o músculo pode sofrer “denervação funcional”, relacionada a diminuição nos impulsos nervosos que chegam à membrana muscular. Esse tipo de fraqueza afeta tanto os músculos dos membros quanto os respiratórios, o que prolonga o uso da VM. Os exercícios realizados no leito por si só não evitam os efeitos adversos do repouso. Esse achado está relacionado à mudança do fluído intravascular das extremidades para a caixa torácica pela remoção do stress gravitacional. No entanto, o fato de assumir a posição vertical ajuda a manter uma distribuição de fluídos adequada e inferiorização das vísceras abdominais. Por essa razão é recomendado que o ortostatismo seja incluído no programa de mobilização precoce, a fim de minimizar os efeitos adversos da imobilidade.

O ortostatismo, como recurso terapêutico, pode ser adotado de forma passiva ou ativa para a estimulação motora, melhora da função cardiopulmonar e do estado de alerta. O uso da prancha ortostática é indicado para readaptar os pacientes à posição vertical quando o mesmo é incapaz de manter essa postura sozinho ou até mesmo com considerável assistência.

Além dos benefícios já descritos, a prática do ortostatismo em doentes críticos tem sido encorajada com base em outros supostos benefícios, que incluem melhora do controle autonômico do sistema cardiovascular, melhora da oxigenação, aumento da ventilação, estimulação vestibular, prevenção de contraturas articulares e úlcera por pressão.

Com base no perfil de pacientes das unidades de terapia intensiva, Hospitalar e ambulatorial à utilização da prancha ortostática, justifica-se pela otimização da assistência e processo de reabilitação.

Autora: Sabrina Donatti – Coordenadora Fisioterapia (PRÓFISIO)

REFERÊNCIAS

Adam, S, Forrest S. ABC of intensive care: other supportive care. BMJ. 1999;319(7203):175-8. Review.
Perme C, Chandrashekar R. Early mobility and walking program for pacients in intensive care unitis: creating a standard of care. Am J Crit Care. 2009;18(3):212-21.
Jerre G, Silva TJ, Beraldo MA, Gastaldi A, Kondo C, Leme F, et al. Fisioterapia no paciente sob ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2007;33: 142-50.
Needham DM, Mobilizing pacientes in the intensive care unit: improving neuromuscular weakness and physical function. JAMA. 2008;300(14):1685-90.
Morris PE, Herridge MS. Early intensive care unit mobility: future directions. Crit Care Clin. 2007;23(1):97-110.
Chang AT, Boots R, Hodges PW, Paratz J. Standing with assistance of a tilt table in intensive care: a survery of Australian physiotherapy practice. Aust J Physioter. 2004;50(1)51-4.
Luque A, Martins CGC, Silva MSS, Lanza FC, Gazzotti MR. Prancha ortostática nas unidades de terapia intensiva da cidade de São Paulo. O Mundo da Saúde. 2010;34(2):225-229.
Vellar CM, Forti Júnior G. Ortostatismo passivo em pacientes comatosos na UTI – um estudo preliminar. Ver Neurociênc. 2008;16(1):16-9.
Sibinelli M, Maioral DC, Eiras AL, et al. The effects of orthostatism in adult intensive care units patients. Rev Bras Ter Intensiva. 2012;24(1):64-70.

20 anos de Prófisio

E assim se passaram 20 anos. Nos divertimos, construímos, inovamos, criamos, desconstruimos, planejamos e reabilitamos. Aqui conhecemos as nossas melhores amizades e gargalhadas, aqui descobrimos que não sabíamos nada e sabíamos tudo, aqui choramos e nos entregamos de corpo e alma para que a fisioterapia seja sempre além da reabilitação!!!

Gameterapia

Videogame ajuda na recuperação de pacientes em hospital público do Pará.

Na chamada ‘gameterapia’ até quem está na UTI usa jogos eletrônicos. Tratamento com games acelerou alta da maioria dos pacientes.

O Bom Dia Brasil mostra uma experiência de sucesso em um hospital público do Pará: a equipe de Fisioterapia usa videogames para acelerar a recuperação dos pacientes. O programa ajuda até quem está na UTI. Assista à reportagem completa no vídeo acima.

No Hospital Público Estadual Galileu, especializado em ortopedia e cardiologia, na Grande Belém, 20 pacientes fazem a chamada gameterapia. Segundo os médicos, a maioria dos pacientes que fizeram o tratamento com jogos eletrônicos teve alta até três dias antes do previsto.

Artigo originalmente publicado em http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2015/11/videogame-ajuda-na-recuperacao-de-pacientes-em-hospital-publico-do-pa.html

Fisioterapia Aquática em UTI Neo-Pediátrica

A água é um dos meios de cura, um veículo de calor ou frio para o corpo que quando em contato com o mesmo, libera ações sobre o aparelho circulatório, produzindo efeitos de regularização do calor corporal. As reações da aplicação da água são três: nervosa; circulatória e térmica.

Por hidroterapia entende-se o tratamento pela água sob suas diversas formas e a temperaturas variáveis.

A hidroterapia tem sido utilizada como uma modalidade terapêutica tradicional por profissionais de saúde em uma ampla variedade de condições médicas. Historicamente, a água vem sendo altamente eficaz nos programas de reabilitação por fisioterapeutas como de exercícios em tanques específicos de hidroterapia ou em piscinas aquecidas. Mas o que ainda não é bem difundido é que esta técnica também é utilizada nas UTI´s Neo-Pediátricas. Pesquisas recentes afirmam ser uma atividade saudável e de prevenção que pode ser praticada no período neonatal e pediátrico, em pacientes estáveis sob orientação científica e com o uso de padronização, procedimentos técnicos de proteção e protocolos médicos.

Leia mais