Os benefícios da fisioterapia ao ar livre para pacientes hospitalizados

Além de todos os benefícios já conhecidos da prática de atividade física por si só, a Ciência também comprovou que a exposição a espaços verdes durante a prática de atividades físicas confere benefícios significativos para a saúde, especialmente no que se refere à função cerebral e à saúde mental.

Pesquisadores da Universidade de Essex, na Inglaterra, fizeram estudos com mais de 1000 pessoas e concluíram que aquelas que faziam exercícios ao ar livre apresentavam melhoras no humor e na autoestima.

Segundo os pesquisadores, apenas 5 minutos se exercitando em áreas verdes já são suficientes para a atividade apresentar os efeitos positivos.

Um estudo realizado na Universidade de Glasgow, na Escócia, com 2 mil voluntários fisicamente ativos, descobriu que pessoas que fazem exercícios ao ar livre ficam 50% mais felizes do que aquelas que passam horas dentro da academia.

Os pesquisadores analisaram ambientes naturais e não naturais para atividades que incluíam caminhadas, corrida e ciclismo, e descobriram que estar em torno de árvores e grama reduzia os níveis de estresse cerebral.

De acordo com outro estudo realizado pela Universidade de Glasgow, pessoas que fazem atividades físicas fora da academia sintetizam melhor a vitamina D.

Após estudos, pesquisadores do Reino Unido, concluíram que os adeptos de exercícios externos ficavam mais propensos a repetir a atividade dentro de um período do que aqueles que só frequentavam academia.

A explicação é que realizar exercícios ao ar livre estimula mais os sentidos, o que contribui com a motivação para repetir a atividade.

Um estudo feito na Universidade de Pittsburg, nos Estados Unidos, apontou que os pacientes que têm contato frequente com a luz do sol apresentam recuperação mais rápida e menos dor que os pacientes que não vão aos ambientes externos.

Esther M. Sterberg, fala em seu livro “The Science of Place and Well-Being” sobre os chamados espaços que curam.

A autora cita o caso de um pesquisador que em 1980 descobriu que pacientes que mantinham contato com a natureza recuperavam-se mais rápido que aqueles que não estavam inseridos neste ambiente.

A partir daí, constatou-se que a saúde do ambiente ou a humanização deste está diretamente ligada à saúde do corpo e mente.

Este tema não é tão moderno quanto parece, um dos maiores exemplos disso é o Hospital de La Santa Creu I Sant Pau, localizado em Barcelona.

Fundado em 1401, teve seu endereço transferido em 1902 para o distrito de Eixample, devido ao crescimento da cidade.

Em seu novo projeto, coordenado pelo arquiteto Lluís Domènech I Montaner, foram construídos 12 pavilhões, interligados.

Ao conceber a ideia do novo hospital, Lluís teve a preocupação de manter a luminosidade natural e a vegetação em diversos pontos da construção, garantindo assim a sensação de bem-estar entre os pacientes.

Umas das explicações que embasa esse novo conceito de arquitetura é a que o ambiente hospitalar quando humanizado afeta diretamente na recuperação de pacientes.

Sendo assim, propiciar um clima acolhedor, excetuando a frieza e impessoalidade comumente encontrada em unidades hospitalares, é uma preocupação latente entre gestores, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e arquitetos.

Projetar ambientes que tragam a sensação de conforto, acolhimento e impulsionem a recuperação deve ser uma das preocupações da gestão hospitalar moderna e humanizada.

A aplicação deste modelo de assistência humanizada contribui diretamente para o bem-estar dos pacientes, aumentando exponencialmente suas chances de recuperação.

 

Por Sabrina Donatti F. da Silva
Graduada em Fisioterapia pela Universidade São Francisco. Especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) e pelo Centro de Estudos e Pesquisa em Terapia Intensiva (CEPETI). Pós-Graduação em Fisioterapia Cardiorrespiratória pela Universidade Tuiuti. MBA em Gestão, Qualidade e Auditoria em Saúde pela Faculdade Inspirar. Diretora do Núcleo de Gestão e Qualidade da Prófisio Assistência Fisioterápica. Coordenadora de Fisioterapia Hospital do Trabalhador (Prófisio). Docente da Faculdade Inspirar.

 

REFERÊNCIAS

  • BARTON, J and PRETTY, J. What is the Best Dose of Nature and Green Exercise for Improving Mental Health? A Multi-Study Analysis. Environmental Science & Technology 2010 44 (10), 3947-3955 DOI: 10.1021/es903183r
  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de promoção da saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.
  • CASTAÑON JAB, PAIVA CR, FONSECA KM, CARNEIRO RS. Academias ao Ar Livre: uma análise dos espaços públicos. Blucher Engineering Proceedings. 2016;3(3):126-137. DOI: http://dx.doi.org/10.5151/engpro-conaerg2016-7011, https://doi.org/10.5151/engproconaerg2016-7011.
  • COHEN DA, MCKENZIE TL, SEHGAL A, WILLIAMSON S, GOLINELLI D, LURIE N. Contribution of public parks to physical activity.AmJ Public Health 2007;97:509 –14.
  • LANDEIRO, GMB, et al. Revisão sistemática dos estudos sobre qualidade de vida indexados na base de dados Scielo. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 10, p. 4257-4266, 2011.
  • LONDE, PR., MENDES, PC. A influência das áreas verdes na qualidade de vida urbana. Hygeia: Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. 2014; 10 (18): 264. http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/26487.
  • MAAS J, VERHEIJ RA, SPREEUWENBERG P, GROENEWEGEN PP. Physical activity as a possible mechanism behind the relationship between green space and health: a multilevel analysis. BMC Public Health 2008.
  • NAHAS, M V. Atividade Física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 6 ed. Londrina: Midiograf, 2013.
  • SILVA EAPC, SILVA PPC, SANTOS ARM, CARTAXO HGO, RECHIA S, FREITAS CMSM. Espaços públicos de lazer na promoção da qualidade de vida: uma revisão integrativa. LICERE-Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer. 2013;16(2)1-18. https://seer.ufmg.br/index.php/licere/article/view/372/267
  • SILVA, RS, et al. Atividade física e qualidade de vida. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2010, vol.15, n.1, pp.115-120. ISSN 14138123. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000100017.
  • VASCONCELOS VJ, ROSA HC. Qualidade de vida a prática de atividades físicas no horto florestal em rio branco–ac. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological 2016;3(1)137-141. http://revistas.ufac.br:8081/revista/index.php/SAJEBTT/article/view/514/306.
  • WERNECK, FZ.; BARA FILHO, MG; RIBEIRO, L. C. S. Efeitos do exercício físico sobre os estados de humor: uma revisão. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte e do Exercício, Juiz de Fora, v. 0, n. 0, p.22-54, 2006.
  • ZHAO G, Li C, FORD ES, FULTON JE, CARLSON SA, OKORO CA, et al. Leisure-time aerobic physical activity, muscle-strengthening activity and mortality risks among US adults: the NHANES linked mortality study. Br J Sports Med. 2014;48(3):244-9.
  • http://www.acr.arq.br/blog/arquitetura-humanizada
  • https://exame.abril.com.br/negocios/dino/exercicios-ao-ar-livre-tornam-aspessoas-50-mais-felizes-dino89089447131/
0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de comentar algo?
Fique à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.