Indicadores da Qualidade

Indicadores da Qualidade

Como outras profissões da saúde, a fisioterapia deve passar do atendimento baseado em quantidade ou modelo de taxa por serviço para o atendimento baseado em qualidade.

Para auxiliar nesta transição os indicadores de qualidade (IQs) podem ser utilizados como ferramentas que especificam o padrão mínimo aceitável de prática clínica. Eles são usados para medir processos de cuidados em saúde, estruturas organizacionais e resultados relacionados a aspectos de atendimento de alta qualidade aos pacientes.

Devem ser utilizados para orientar a tomada de decisões clínicas, implementar recomendações, avaliar e relatar a eficácia do tratamento às principais partes interessadas, incluindo gestores e pacientes.

São primordiais para os gestores, pois permitem a avaliação e o monitoramento de lacunas relacionadas às estruturas (por exemplo, número de profissionais, disponibilidade de equipamento), processos (por exemplo, adesão às melhores práticas de reabilitação, entrega serviços) ou resultados (por exemplo, status funcional, qualidade de vida, mortalidade) do atendimento além de ser considerado um produto terciário do conhecimento. que ajuda a mobilizar outros produtos, isto é, diretrizes e recomendações para a prática e avaliação do impacto de sua implementação.

O envolvimento do fisioterapeuta no desenvolvimento dos IQs específicos da reabilitação é imprescindível. Para que os fisioterapeutas participem, eles devem ter um entendimento do processo.

As principais etapas no desenvolvimento e implementação dos IQs serão definindo o público-alvo; determinação da área clínica a avaliar; identificar IQs existentes ou, na sua ausência, desenvolver e avaliar os IQs existentes ou novos; coletando e relatando dados.

Para que os fisioterapeutas participem dos esforços para aplicação dos IQs específicos da reabilitação e da equipe, eles devem entender o valor e o papel destes na prestação de cuidados de saúde e estar familiarizados com os métodos usados para desenvolver ou identificar, coletar, relatar e implementar estes IQs.

Os fisioterapeutas devem ser incentivados a contribuir para a identificação e implementação dos IQs em seus ambientes clínicos ou organizações de assistência à saúde para garantir que as medidas selecionadas sejam relevantes, viáveis, clinicamente significativas e sob seu controle.

Algumas barreiras ainda são identificadas para implementação dos IQs , no aspecto de atendimento incluem restrições de tempo, acesso limitado aos IQs apropriados, falta de conhecimento e ferramentas para a aplicação de medidas, suporte limitado à gerência e falta de valor e importância aos resultados.

É preciso mensurar, avaliar e gerar valor, mas não podemos esquecer que o paciente é um ser humano, que quando adoecido está debilitado e sofrendo. Eles são a razão da existência das organizações de saúde, sendo imprescindível que ele seja acolhido, compreendido e tratado.

Por Maíra Maturana
Doutoranda em Ciências da Reabilitação pela Unisuam
Mestre em fisiologia
Docente na Faculdade Inspirar
Fisioterapeuta/Sócia Diretora da Profisio – unidade INC
Sócia Diretora da Faculdade Inspirar Campinas

Leia mais em : https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4706598/
Marie D. Westby, Alexandria Klemm, Linda C. Li, C. Allyson Jones. Emerging Role of Quality Indicators in Physical Therapist Practice and Health Service Delivery. Phys Ther. 2016 Jan; 96(1): 90–100.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de comentar algo?
Fique à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.