Espirometria

A espirometria ou também conhecida prova de função pulmonar é um exame que permite avaliar a função respiratória através da quantificação dos volumes respiratórios, fluxo e tempo, isto é possível através da mensuração do ar que entra e sai dos pulmões.

É um teste rápido, indolor, capaz de indicar “doenças pulmonares silenciosas” sendo indicado de forma preventiva na medicina ocupacional em exames admissionais e periódicos, possibilitando diagnósticos precoces em pacientes assintomáticos, como por exemplo um distúrbio ventilatório restritivo em pacientes obesos ou distúrbio ventilatório obstrutivo em pacientes fumantes que não apresentam nenhum sintoma inicial, essencial no acompanhamento dos pacientes asmáticos, DPOC, pré e pós operatórios em geral.

Além dos diagnósticos clínicos utilizados pelo médico, como já citados, a espirometria é uma ferramenta utilizada pelo fisioterapeuta no diagnostico cinesiofuncional, possibilitando estratégias e objetivos de reabilitação a curto, médio e longo prazo, também utilizada como biofeedback visual durante a sessão de treinamento funcional respiratório, possibilitando aos pacientes um melhor aprendizado e evoluções diárias das técnicas utilizadas.

A excelência do teste demanda uma boa técnica de comunicação do profissional e da colaboração do paciente, apesar de ser um exame simples que consiste basicamente em puxar e soltar o ar de forma rápida e continua por um bocal conectado em uma aparelho, a literatura nos mostra que em média 70% dos técnicos no Brasil realizam de forma errada, isso pode estar correlacionado ao fato de muitos dos técnicos receberem o treinamento rápido e sem acompanhamento dos próprios profissionais que solicitam.

Este impacto poderia ser diminuído se fosse realizado por fisioterapeutas uma vez que os mesmos detêm conhecimentos de técnicas que podem facilitar a compreensão do sopro forçado e continuo dento dos padrões anatômicos e fisiológicos da função pulmonar.

É importante salientar que a manobra leva o paciente aos dois extremos, uma inspiração máxima total  ( VC = volume corrente +  VRI = volume de reserva inspiratória ) seguida de uma expiração máxima forçada (VRE = volume de reserva expiratória), a falha no comando em qualquer uma das duas fases podem resultar em valores abaixo da normalidade e induzir a um falso teste.

Ao observar o gráfico abaixo e analisar o quanto representa percentualmente cada fase do ciclo respiratório, aceitar que o paciente ou o técnico realizem de forma errônea uma delas, é a certeza de um resultado errado.

INTERPRETAÇÃO DO RESULTADO

Os valores da espirometria variam de acordo com peso, idade, altura, sexo, biotipo da pessoa, por esse motivo os dados antropométricos devem ser sempre checados no momento do exame.

A espirometria simples ou ocupacional é realizada sem uso de agentes broncodilatadores, já as provas de funções pulmonares levam a aplicação dos broncodilatadores.

O laudo de diagnósticos clínicos devem sempre ser interpretados pelo médico, já os diagnósticos cinesiofuncinais pelo fisioterapeuta. A interpretação deve levar em consideração tantos os valores de cada parâmetro em percentual e as curvas fluxo-volume e volume-tempo, também é importante classificar a gravidade que pode ir de leve a gravíssima.

  • Volume Expiratório Forçado (VEF1): representa a quantidade de ar expirado no primeiro segundo, e por isso, quando está abaixo dos valores de normalidade pode indicar presença de distúrbios obstrutivos.
  • Capacidade vital forçada (CVF): representa a quantidade total de ar que se consegue expirar, quando está abaixo dos valores de normalidade pode sugerir a presença de doenças pulmonares que dificultam a expansão do pulmão, com possíveis distúrbios restritivos.

 

Abaixo um exemplo da curva de Distúrbio Obstrutivo.

 

A seguir um exemplo da curva de um laudo normal.

 

 

Por Flávia Makoski Ciescilivski

Fisioterapeuta Especialista em Terapia Intensiva e Fisioterapia Uroginecologia, Proctologia e Disfunções Sexuais
Gestora Administrativa da Franquia Prófisio no Hospital Marcelino Champagnat – Curitiba – Fisioterapeuta atuante junto a equipe do Check-up (Avaliação Funcional Fisioterapêutica e Testes de Função Pulmonar).
Professora e Coordenadora adjunta da Faculdade Inspirar do Curso de Pós Graduação de Fisioterapia Pélvica – Anápolis / Goiás
Mestranda pela UFPR/Faculdade Inspirar – Clínica Cirúrgica

 

REFERÊNCIAS

  • Costa, D. e Jarnarni, M. BASES FUNDAMENTAIS DA ESPIROMETRIA. Rev. bras. fisioter. Vol. 5 No. 2 (2001), 95-102.
0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de comentar algo?
Fique à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.